Big Small Data

“Ser Data-Driven” virou um termo clichê no âmbito empresarial e muitas pessoas vão em busca do tal do Big Data. Entretanto ser Data-Driven depende muito mais de pessoas e atitudes.

Ainda não assina a Zum!? Receba semanalmente conteúdo prático a mão na massa no seu email:


Diante de uma necessidade de cultura analítica o termo "Big Data" está cada vez mais presente no dia a dia das empresas em todo o mundo. “Ser Data-Driven” virou um termo clichê no âmbito empresarial e muitas pessoas vão em busca do tal do Big Data para desenvolver a maturidade analítica da sua empresa.  É claro que, em muitas ocasiões, os resultados serão positivos e todo o investimento o seu devido retorno (ROI). Entretanto ser Data-Driven depende muito mais de pessoas e atitudes do que propriamente de alto investimento em tecnologia. A cultura analítica tem que estar no sangue das pessoas e na cultura da empresa, independentemente se o contexto atual utiliza um pequeno ou um grande volume de dados.

Reconhecimento de voz/imagem, recomendação de conteúdos e predição de churn são técnicas do mundo de Big Data que muitas empresas investem rios/caminhões de dinheiro para elevar a sua maturidade analítica a fim de tomar as melhores decisões para melhorar experiência do usuário, aumentar receitas e crescer sua fatia no mercado.

Será que a minha empresa precisa tanto de BigData? 

Grande parte dos KPIs que a Ana Júlia listou no artigo “Metas, KPIs, que?!”, não necessitam de ferramentas de Big Data para serem calculados. São indicadores que definem sucesso em negócios digitais e/ou podem ser facilmente calculados ou demandam pesquisas com usuários.

Ferramentas acessíveis e o bom e velho excel

No mercado digital há diversas ferramentas gratuitas (ou com preços bem acessíveis) que permitem diversas análises robustas do seu negócio. De forma gratuita, com o Google Analytics 4 você consegue coletar e analisar dados de comportamento do usuário ou performance de mídia em diferentes tipos de propriedade digital (Mobile app, TV App, Web Browsers etc) em questão de poucas horas.

Ferramentas como o Hotjar trazem mais aprofundamento no comportamento do usuário e ainda permitem que você faça uma pesquisa antes que um visitante abandone seu site. Similar Web e GoogleTrends são excelentes ferramentas que agregam valor para fazer uma análise de concorrência.

Para consolidar todos os resultados porque não utilizar o bom e velho Excel (ou uma planilha Google para os mais modernos), a melhor e mais utilizada ferramenta de análise que existe.

Por fim, não podemos deixar de falar em testes A/B e multivariados, onde o Google Optimize aparece como uma opção grátis e simples de usar.

Invista em pesquisas e conheça o seu consumidor

Big Data é feito de dados e dados favorecem a análise fria em relação a emoção. Conhecer seu cliente, buscar por ele e formular as melhores perguntas para responder as questões mais complexas demandam tempo, estudo e pesquisa. É importante ir além dos dados, ir pra rua (digitalmente!) e encontrar o seu real consumidor pois nem as melhores ferramentas de inteligência artificial farão melhor do que um ser humano focado em extrair insights para o seu negócio.

If data fostered better emotional decisions, then accountants, not poets, would be prototypal of great lovers.

(Se os dados promovessem melhores decisões emocionais, então os contadores, e não os poetas, seriam os protótipos dos grandes amantes.)

A frase acima foi retirada do livro Small Data: The Tiny Clues That Uncover Huge Trends, onde o autor, Martin Lindstrom, conta como a LEGO trabalhou com um insight gerado através de uma pesquisa com uma criança de apenas 11 anos.

Pessoas >>> Máquinas

Diante de tudo que foi dito devemos pensar que o maior investimento não está nas ferramentas e sim NAS PESSOAS. Faça uma reflexão e verá que não adianta você ter o melhor carro de Fórmula 1 na mão se não há um piloto altamente qualificado para guia-lo. As pessoas ainda pensam e formulam hipóteses melhor do que qualquer máquina, então uma sinergia entre ser humano e tecnologia é e sempre será essencial para elevar o nível de maturidade da sua empresa. 

Ser Data-Driven não é justificar as suas decisões através dos dados e nem trazer curiosidades no seu dia a dia de trabalho. Ser Data-Driven é gerar insights por meio de dados e agir para o desenvolvimento do seu negócio.

E aí, a sua empresa é Data-Driven?